Formação do Programa Volta ao Novo em Santa Catarina aborda motivação nas escolas em tempos de pandemia

Promovido pela Undime/SC, em parceria com o Instituto Ayrton Senna, terceiro encontro aconteceu nesta quarta (15) e contou com participação da socióloga e educadora Lourdes Atié. 

Dando continuidade ao ciclo de formações do Programa de Desenvolvimento de Competências Socioemocionais – Volta ao Novo SC, a Undime/SC, em parceria com o Instituto Ayrton Senna, promoveu o terceiro encontro do programa nesta quarta-feira (15/9), por meio da plataforma de videoconferência Zoom. Direcionado aos agentes multiplicadores dos municípios catarinenses, o evento contou com a participação da socióloga e educadora Lourdes Atié, que propôs reflexões acerca da escola em tempos de pandemia, abordando a competência socioemocional da motivação. 

“Os professores tiveram um papel incrível, absolutamente de ser aplaudido de pé. Vimos esforços absurdos de professores que tiveram de viver 10 anos em um ano e meio para não deixar nenhum aluno para trás”, comenta Atié, explicando que isso, por outro lado, impactou a saúde psíquica dos profissionais. Nesse sentido, a socióloga explica que é ainda mais urgente fazer da escola um ambiente acolhedor e de bem-estar para toda a comunidade. “Bem-estar não é algo dado, mas, sim, construído. É necessário estar atento à ética do cuidado, expressar todas as aflições e criar um vocabulário afetivo em sala de aula, não só por parte dos professores como também dos alunos. Em tempos como este, é imprescindível criar uma escola que tenha calma e escuta”.

A articuladora do Volta ao Novo no estado e assessora pedagógica da Undime/SC, Sônia Fachini, reforça a importância de motivar a prática do diálogo nas escolas, especialmente em momentos tão desafiadores. “Com o diálogo é possível fazer uma educação de qualidade que não se restrinja somente a transmitir conhecimentos teóricos e disciplinares, mas que contemple uma educação de mundo e de sujeito”.

Três pilares

Pensamento, sentimento e atuação. Através desses três pilares, a socióloga Lourdes Atié indica que é possível trabalhar de maneira integral o conhecimento nas escolas. “O pensamento é a parte cognitiva; o sentimento, a emoção; e a atuação refere-se à etapa operativa, de aplicação dos conhecimentos. O conhecimento tem que ser trabalhado numa perspectiva holística, tirando os temas de caixinhas categorizadas para que seja viabilizado o desenvolvimento de projetos que falem em diferentes linguagens”, explica a socióloga. Esse trabalho dialógico mostra-se ainda mais importante na pandemia, já que, conforme coloca Atié, este período demonstra que “o futuro é em rede”. 

Com isso em vista, a educadora recomenda que é importante revisar muito atentamente os projetos pedagógicos nas escolas, de forma a dar conta de toda a nova dinâmica do mundo pandêmico. “Agora, é hora de rever seu projeto pedagógico e, a partir dessa atualização, essencializar o currículo. Precisamos abraçar esse conceito que muitos países já adotaram, de que o menos bem-feito vale mais”. Destacando que este é um momento de grande oportunidade de transformação, conclui sua fala com uma frase do educador António Nóvoa: “a pandemia libertou o futuro. O que faremos com tudo isso que vivemos?”. 

Volta ao Novo em SC

Além da assessora pedagógica da Undime/SC, compõem também a equipe de articuladores do Programa Volta ao Novo em Santa Catarina a psicóloga da SME de São José (SC), Ana Brasil de Oliveira, e Anelize Schlosser, da SME de Blumenau (SC). Abordando o tema “Aprendizado e Correção de Fluxo”, em 20 de outubro, acontece a terceira formação e quarto encontro do programa. 

As formações propõem uma discussão sobre as macrocompetências, ou grandes grupos das competências socioemocionais. São elas: resiliência emocional, amabilidade, abertura ao novo, engajamento com os outros, autogestão, motivação e aprendizagens. A primeira formação, realizada no último mês, teve como temática “Acolhimento e Autogestão”. Confira aqui os detalhes do encontro!

 

Fonte: UndimeSC.

Compartilhe: