Pedagogia Hospitalar possibilita que crianças e adolescentes internados continuem estudando durante tratamento

Pedagogia HospitalarO Programa Pedagogia Hospitalar, da Secretaria Municipal de Educação de Blumenau, tem contribuído muito para amenizar as dificuldades enfrentadas por pacientes e suas famílias, durante a internação na ala pediátrica do Hospital Santo Antônio, em especial aqueles que recebem um diagnóstico de câncer infantojuvenil. Ao fortalecer os vínculos entre a criança e a escola, respeitando as condições clínicas de cada indivíduo, o trabalho das pedagogas da Prefeitura, que atuam junto à instituição, faz com que o foco saia da doença e se volte para a vida.

Foi isso que o programa significou para a família de Barbarah Amábile Kuss, de 14 anos. Em abril deste ano, ela foi diagnosticada com leucemia. Desde então, a jovem, aluna da Escola Básica Municipal (EBM) Visconde de Taunay, passou por sessões de quimioterapia semanais que provocaram reações fortes em sua saúde, levando-a inclusive para internação na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). “No primeiro momento, a única coisa em que pensamos foi na saúde dela, largamos tudo para cuidar dela”, contam os pais Jean e Cátia Kuss. “Mas ao chegar aqui nos depararmos com pessoas preocupadas em trazer uma perspectiva de futuro para ela, foi muito reconfortante”.

Segundo Jean e Cátia, Barbarah sempre foi uma excelente aluna e gosta muito de estudar. Assim, as atividades proporcionadas pela Pedagogia Hospitalar, a ajudaram a esquecer um pouco as dificuldades que estava enfrentando, além de trazer a tranquilidade de que o ano escolar não estaria perdido. “Fiquei triste quando pensei que não voltaria tão cedo para a escola e que poderia perder um ano ou dois de estudos. Mas isso não aconteceu, estou recebendo as atividades e estudando mesmo em casa”, revela a adolescente.

Criada em 2008, a Pedagogia Hospitalar tornou-se uma política permanente do município no ano passado, por meio de lei sancionada pelo prefeito Napoleão Bernardes. O município investe por ano cerca de R$ 100 mil e cede duas pedagogas para atuar no hospital. No ano passado, o Programa atendeu, aproximadamente, 700 crianças e adolescentes com diversas patologias. Para qualificar o atendimento, as professoras fazem o uso de tecnologias como lousa digital, tablet e play table.

Em função da sensibilidade com que o trabalho é feito e dos resultados que tem proporcionado na qualidade de vida das crianças e dos adolescentes que passam pelo hospital, a Pedagogia Hospitalar tem recebido reconhecimentos nacionais. No ano passado, o Programa foi contemplado com uma menção honrosa do Senado Federal, por ter ficado entre os dez finalistas do prêmio Darcy Ribeiro, criado para valorizar boas práticas educacionais desenvolvidas em todo o País. O Programa foi, ainda, tema de um artigo publicado em um livro sobre o assunto, organizado por professores da PUC do Paraná e da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte.

 

Undime-SCCom a contribuição da SME de Blumenau.